Mídia

Mídia
Articles

Próxima seção

Com perdas em março, fundos de renda fixa vão continuar instáveis

06/04/2020 às 09:13

Com perdas em março, fundos de renda fixa vão continuar instáveis

Expectativa é de mais volatilidade para o mês de abril

Por Ernani Fagundes | Para O Estado de São Paulo

Com exceção das carteiras com títulos pós-fixados, com papéis indexados na taxa Selic ou na taxa de depósito interfinanceiro (DI), que tiveram rentabilidade média bruta de 0,27% no mês, os tradicionais fundos de renda fixa não ficaram imunes à crise do coronavírus e também registraram perdas em março.

Dados do boletim diário da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) divulgado no fechamento de março, mostram que a rentabilidade média bruta estimada das carteiras de renda fixa (RF) com papéis de duração baixa tiveram prejuízo de 0,18%.

Já nos fundos RF com títulos de duração média, a perda estimada é de 0,36%, enquanto em carteiras RF com papéis de duração longa, o prejuízo médio é estimado em 2,78%.

Para o mês de abril, a expectativa é de um pouco mais de volatilidade. “O grosso desse movimento já ocorreu em março, quando passaram a marcar os papéis num preço mais justo.  Mas pode ter algum agravamento em abril, a depender da intensidade da crise sanitária e econômica”, afirma Marco Bismarchi, sócio da TAG Investimentos.

Por que isso acontece?

Segundo Bismarchi houve dois movimentos em março que explicam essas perdas. O primeiro está relacionado ao aumento dos juros nos títulos públicos prefixados e de inflação de médio e de longo prazo, reflexo do nervosismo do mercado com a crise de saúde e econômica causada pela pandemia de Covid-19 pelo mundo.

“Na renda fixa, as curvas de juros se abriram. Nas NTN-Bs (Notas do Tesouro Nacional série-B ou Tesouro IPCA+), o juro que estava em torno de 3%, subiu para 5%, e agora está em torno de 4,5%. E nos prefixados, os papéis que estavam com 6%, subiram para 7%, 8%. Isso tudo impactou no valor dos títulos, reduzindo a rentabilidade das carteiras e provocando perdas”, explica.

Quanto ao segundo movimento de perdas, Bismarchi relaciona à marcação pelo mercado dos títulos privados de dívida. “Os ativos de crédito privado tiveram um movimento mais agudo. Teve uma corrida de resgate até em papéis triplo A (AAA, de melhor nota de risco de crédito), e os gestores tiveram que vender no mercado para honrar os pagamentos em D+30. Essa marcação a mercado diminuiu o valor dos papéis e das carteiras”, diz.

Em outras palavras, fundos de investimentos de renda fixa concentrados em títulos de crédito privado apresentaram perdas maiores porque os investidores resolveram se desfazer de parte de suas posições diante de temores de problemas de dívida corporativa nesse momento em que há quarentena em grandes centros urbanos e restrição de circulação de consumidores, o que reduz drasticamente as receitas de muitas empresas com títulos no mercado.

“Essa é uma classe de ativos que tínhamos uma posição pequena. Nós sofremos mais com a bolsa de valores, em ações. Na nossa visão, não há tanta justificativa para resgate desses fundos de crédito privado. Até estamos olhando oportunidades em empresas muito boas, cujos papéis estão negociando em taxas, que não ficar assim por muito tempo”, afirma.

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Santo Amaro, 48 - 6˚ andarItaim Bibi - São Paulo - SPCEP: 04506-000Telefone: (11) 3474-0000
BELO HORIZONTEAv. Afonso Pena, 4.273 - Sala 305Serra Belo Horizonte - MGCEP: 30130-008Telefone: (31) 2511-4936
CAMPINASR. Quirino do Amaral Campos, 144Sala 803 - Cambuí - Campinas - SPCEP: 13023-570Telefone: (19) 3342-7557
FLORIANÓPOLISRodovia João Paulo, 920,
Bairro João Paulo,
Florianópolis, SC
CEP: 88030-300Telefone: (48) 99933-2500
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• andar
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
CEP: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. Todos os direitos reservados.

As informações no presente material são exclusivamente informativas. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento dos fundos de investimento ao aplicar seus recursos. Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor, ou ainda do futuro garantidor de crédito - FGC. Para s avaliação da performance de um fundo é recomendável uma análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos; para mais informações sobre produtos e risco de fundos, entre em contato com nossa Central de Atendimento.