Mídia

Mídia
Artigos

Próxima seção

TAG Research - BTG Global Managers Conference - Dia 3 - Global Markets

BTG Global Managers Conference – Global Markets

 

São Paulo, 23 de julho de 2020.

 

Painel com Barnaby Wiener, gestor da MFS, e Reinout Schapers, gestor da Robeco, moderado por Renato Mimica, CIO da Exame. Tema do painel é “Finding Value in Global Markets”.

 

·         Schapers divide suas perspectivas sobre o cenário.

o    Alusão ao TINA (“There Is No Alternative”) ao comentar sobre os preços nas bolsas mundo afora – a “alternativa” na Europa seria investimentos em juros negativos, o que por si só não é uma alternativa.

o    Há uma grande diferença entre os setores nessa retomada, e que o crédito corporativo é uma subclasse em si relativamente segura e, portanto, pode apresentar boas oportunidades.

o    Tudo é muito incerto e qualquer previsão certeira é um engano – ninguém sabe se a volatilidade persistirá, ou se haverá uma segunda onda de contágio e novos lockdowns, como o visto agora em Hong Kong – mas acredita que há muito dinheiro na mesa para ganhar.

·         Como a MFS enxerga a outperformance de growth vs. value?

o    Ninguém sabe qual será o impacto de longo prazo nos mercados. O impacto de curto prazo pode até estar precificado, e precificado corretamente, mas pouco se pode estimar do impacto da injeção de liquidez no longo prazo. Isso torna difícil essa análise.

o    Acredita que haverá um impacto considerável na confiança das pessoas para a retomada estrutural da economia no médio prazo e que a produção perdida não foi fatorada ainda.

o    É importante diferenciar as empresas de “durable growth” das que são apenas “growth”. A primeira tende a apresentar algumas características semelhantes às empresas de “value”.

·         Como que a Robeco vê os spreads de crédito YTD vs. a média histórica.

o    Mar/20 foi o pior mês que ele já presenciou no mercado de crédito corporativo, aonde o mercado inteiro não “bidou” ativos HY ou IG.

o    Mercado dos EUA estava pior que o europeu e EMs estavam piores que os DMs.

o    Encontraram oportunidades em companhias com balanços sólidos e bem estruturadas. Teve companhias tão boas quanto MSFT e GOOG emitindo títulos com rendimentos de crédito HY.

o    Os spreads fecharam durante abril-junho por causa das medidas dos BCs e os estímulos fiscais.

o    Parte do “melt-up visto no 2T20 pode ser justificado – TINA. Mas, outra parte não – se existem incertezas sobre a longevidade de uma companhia, como a Hertz, os mercados não deveriam ter seguido os movimentos que seguiram nesses papéis.

o    Empresas investidas durante esse período têm de ter um balanço financeiro forte para o curto prazo e ter demanda no longo prazo para o seu produto.

·         Proteções para a carteira na MFS.

o    Hedge before volatility comes”.

o    Owning a concentrated portfolio of durable goods that won’t surprise you on the downside.”

o    Buy put options on equity indices to hedge against the volatility”.

o    Tenha a flexibilidade para reter recursos em caixa e liquidez. Hoje 40% da carteira que gere está em ativos/fundos de liquidez.

o    Estratégia deu certo no 1T20 – “flat returns for the period”. Porém, Wiener alerta que as opções não estão mais baratas como antes.

·         É tarde demais para se juntar ao rali?

o    Níveis continuam atraentes se comparar os spreads de hoje com as performances históricas no longo prazo.

o    Porém, há diferenças entre setores.

o    Particularmente a Robeco diminuiu sua exposição e realizou lucros a medida que os mercados foram subindo no 2T20. Reduziram o risco e deixaram mais em caixa, pois enxergam maior volatilidade no horizonte.

·         Exposição da MFS aos mercados emergentes.

o    Tese estrutural da gestora é estar “underweight” em EM. Esse posicionamento não muda a/a.

o    A gestora tem uma obsessão por compreender os riscos associados com cada investida, o que mercados emergentes não facilitam – risco político, cambial e econômico difícil de quantificar.

o    Aponta que bons negócios em mercados emergentes, que são poucos, apenas negociam a múltiplos muito altos, tornando-os pouco atraentes em termos de cheap valuation.

·         Wiener argumenta que ESG deveria ser um componente crítico de qualquer portfólio, especialmente se o investimento é de longo prazo com um horizonte de 7-10 anos. Retornos são superiores em companhias que tem boas avaliações ESG vs. aquelas que não têm, e longo prazo composta isso.

·         As intervenções dos BCs mundo afora são apropriadas?

o    Schapers | Bancos aprenderam com os erros da crise de 2008 quando demoraram muito para se movimentar; eles atuaram rapidamente dessa vez. Porém, aparentam esquecer que sua função é gerar liquidez e não lucros corporativos. “Feels like they lost a sense of reality”.

o    Weiner | Os bancos centrais têm que entender que ninguém consegue controlar a direção dos lucros corporativos no longo prazo, inclusive eles. Os juros negativos fazem com que as pessoas poupem mais, visto que ativos de baixo risco como títulos públicos não rendem, e essa poupança elevada é prejudicial.

·         Quais são as implicações no médio prazo na inflação dessa crise?

o    Negative yielding bond is an abomination that corrupts so many aspects of the financial system” – políticas monetárias além de um certo nível não surtem o efeito esperado.

o    A inflação vai subir no mundo todo. Porém, a dificuldade está em acertar o timing desse aumento.

o    Não existem ativos imunes a inflação e é difícil encontrar ativos que protejam contra a inflação.

·         Quais setores Wiener mais está exposto hoje no seu fundo na MFS?

o    8% da carteira está no mercado imobiliário alemão, 8% em bens de consumo, e 20% em tecnologia (software, internet e hardware) embora estejam UW ao benchmark nesse setor.

o    Não tem exposição aos bancos e ao setor de energia.

o    Gostariam de ter uma maior exposição ao setor de HC, no qual tem uma demanda que cresce mais que GDPs. Porém, há dificuldades com respeito a políticas de precificação, especialmente das companhias de Pharma.

·         Schapers enxerga oportunidades no setor de energia, mesmo que os lucros esse ano vão ficar abaixo. Visão de longo prazo para o setor é construtiva, haverá demanda, e esses papéis de crédito deverão dar bons retornos quando a visão clarear e o mercado estabilizar. Indústrias cíclicas, como bens de consumo cíclicos, também estão atraentes.

·         Os investidores perderam a noção de valuation quando olhamos as “mega-techs”?

o    AMZN e NFLX tem múltiplos bastante elevados. Mas FB e GOOG não – eles têm hoje as maiores receitas de publicidade do mundo, o que é cíclico, mas só tende a aumentar.

o    Maior risco para essas empresas são reguladores e políticos querendo interferir e desmembrá-las.

o    Esses valuations podem ser explicados pela injeção de capital em fundos passivos/ETFs na última década, o que puxou seus preços para novas altas, em vez de outros motivos.

 

Área de Gestão TAG Investimentos

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Brig. Faria Lima 3311 - 12º andarItaim Bibi - São Paulo - SPCEP: 04538-133Telefone: (11) 3474-0000
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• andar
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
CEP: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. Todos os direitos reservados.

As informações no presente material são exclusivamente informativas. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento dos fundos de investimento ao aplicar seus recursos. Fundos de investimento não contam com a garantia do administrador, do gestor, ou ainda do futuro garantidor de crédito - FGC. Para s avaliação da performance de um fundo é recomendável uma análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos; para mais informações sobre produtos e risco de fundos, entre em contato com nossa Central de Atendimento.