Mídia

Mídia
Articles

Next secion

Tesouro Direto: prefixados voltam a ficar atrativos; Confira o desempenho dos títulos públicos em abril

02/05/2022 às 10h07

Tesouro Direto: prefixados voltam a ficar atrativos;
Confira o desempenho dos títulos públicos em abril


Com ciclo de alta de juros próximo ao fim, especialistas veem oportunidade em papéis com retorno fixo de curto prazo


Por Silvia Rosa | Para o TradeMap

Com o ciclo de alta de juros se aproximando do fim, os títulos prefixados do Tesouro Direto começam a ganhar atratividade, com o mercado já começando a discussão sobre quando o Banco Central deve inverter a mão e começar a cortar a taxa Selic no ano que vem, apontam os especialistas ouvidos pela Agência Trademap.

“É um bom momento para investir em títulos prefixados. O mercado já vê o ciclo de alta de juros chegando ao fim, mas ele ainda não chegou, o que traz a oportunidade de aproveitar um prêmio de risco ainda existente nesses papéis”, diz a estrategista-chefe da Órama, Sandra Blanco. A Órama espera taxa Selic de 12,75% ao ano no fim do ciclo de aperto monetário.

Ainda que existam algumas incertezas à frente, como a expectativa de aceleração da alta de juros nos Estados Unidos e eleições no Brasil, que podem trazer maior volatilidade aos mercados, os especialistas veem espaço para os investidores começarem a aumentar a alocação nesses papéis.

Apesar do risco maior na alocação de papéis prefixados em relação aos títulos pós-fixados, Blanco vê oportunidade para os investidores irem adicionando aos poucos esses papéis na carteira. “A partir do momento que estiver mais certo que o ciclo de alta de juros vai acabar, as taxas vão cair e o investidor pode olhar para trás e pensar: por que não comprei papéis prefixados antes?”, diz Blanco.

Na ata da última reunião, o Copom (Comitê de Política Monetária) sinalizou mais uma elevação de 1 ponto percentual da Selic na reunião de 4 de maio, levantando a possibilidade de que poderia encerrar o ciclo de aperto monetário na próxima reunião se a inflação para 2023 continuar abaixo da meta, de 3,25% em sua projeção.

Em abril, os títulos do Tesouro Selic com vencimento para 2023 lideraram os ganhos, seguidos pelos papéis prefixados com pagamento de juros semestrais para 2023.

Confira a seguir o desempenho de todos os títulos públicos, disponíveis ou não para compra, no Tesouro Direto, em abril.



Copom para no primeiro semestre?

A sinalização do BC de que poderia encerrar o ciclo de alta de juros em maio fez com que o mercado ajustasse as apostas, prevendo a interrupção da alta da Selic no primeiro semestre, o que contribuiu para a queda das taxas de juros, beneficiando os títulos prefixados de curto prazo. Vale lembrar que, quando a taxa do título público cai, o preço se valoriza, mas o investidor só realiza o ganho ou a perda se vender o papel antes do prazo final do investimento.


Para Blanco, mesmo com o risco de um aumento da pressão inflacionária com as restrições contra a Covid-19 adotadas na China, é improvável que o BC vá muito além no ciclo de aperto monetário neste ano, dada a projeção já baixa para o crescimento no Brasil. “O remédio [alta de juros] já foi bastante forte e agora a gente precisa esperar para ver o resultado”, diz.

Desde o início do ciclo de aperto monetário, em maio de 2021, o BC já elevou a taxa Selic em 9,75 pontos.

Nesse cenário, a Órama vê oportunidade de investimento nos papéis prefixados com prazos entre dois e três anos. O Tesouro prefixado para 2025, por exemplo, está pagando uma taxa de 12,14%.

A TAG Investimentos vê oportunidade pontual de alocação em papéis prefixados com vencimento em 2025. Mas essas aplicações ainda respondem por uma parcela pequena da carteira recomendada de renda fixa — na média, de 10% a 15% dependendo do perfil do investidor, diz Marco Bismarchi, sócio da TAG Investimentos.

Para os investidores com perfil mais conservador, a Órama recomenda uma exposição de 50% em títulos pós-fixados, 15% em prefixado e 35% em papéis atrelados à inflação. Para o perfil moderado, a parcela em prefixado sobe para 20%, com 25% em papéis pós-fixados e 20% em títulos indexados à inflação. No perfil arrojado, essas alocações passam para 18% em títulos pós-fixados, 10% em prefixado e 10% em papéis atrelados à inflação.

Alta de juros nos EUA traz risco?

O  UBS ampliou a parcela em títulos pós-fixados nas alocações táticas (de curto prazo) em março e ainda mantém uma recomendação neutra para os investimentos em papéis atrelados à inflação e prefixados.

Considerando a média das recomendações para os perfis moderados, a parcela em títulos pós-fixados passou de 22% para 27% em março, seguida por papéis atrelados à inflação (20%) e prefixados (15%).

“Decidimos manter a recomendação neutra para NTN-B [títulos públicos atrelados à inflação]  e prefixados dados os riscos no cenário externo, com o Fed [Federal Reserve, banco central americano] elevando os juros, fora riscos fiscais que vão começar a aparecer no Brasil com o debate eleitoral”, diz Ronaldo Patah, estrategista-chefe do UBS Consenso.

Em março, o banco central americano iniciou o ciclo de alta de juros, elevando a taxa básica americana em 0,25 ponto percentual, para o intervalo entre 0,25% e 0,50%.

Dados do CME Group mostram que o mercado de juros futuros reflete 96,5% de chance do Fed subir a taxa básica de juros em 0,50 ponto, para o intervalo de 0,75% e 1% na próxima reunião, na quarta-feira (4).

Francisco Levy, estrategista-chefe da Vitreo, ressalta que mesmo com uma aceleração da taxa básica juros nos Estados Unidos, o diferencial de juros para o Brasil é tão grande que não deve ter muito impacto para a renda fixa brasileira.

O diferencial do juro real pago pelos títulos do Tesouro atrelados à inflação no Brasil e nos EUA de 10 anos está em 6,5 ponto, afirma Levy. E dado o patamar de juros altos no Brasil, é um momento interessante para o investidor travar essa rentabilidade por um prazo maior, por meio da alocação em papéis prefixados e indexados à inflação.

A Vitreo recomenda a alocação em papéis prefixados com prazos de vencimento de três a quatro anos e em títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+) de curto e longo prazos.

Proteção contra a alta da inflação

Com a inflação ainda elevada, os títulos Tesouro IPCA+ continuam sendo uma alternativa interessante de proteção contra a alta de preços. Esses títulos estão pagando uma taxa de juros prefixada acima de 5% mais a variação do IPCA.

Com a escalada do conflito entre Rússia e Ucrânia e aumento dos casos de Covid-19 na China, os analistas ouvidos pelo BC no último Boletim Focus elevaram a projeção para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) neste ano para 7,89%, bem acima dos 6,86% esperados há um mês e acima da meta de inflação de 3,5% para 2022.

De forma geral, os papéis Tesouro IPCA+ com vencimentos mais curtos tiveram melhor desempenho no mês passado. O índice que acompanha o desempenho dos papéis atrelados à inflação com vencimento inferior a cinco anos, o IMA-B5, subiu 1,56% em abril, enquanto que o índice que acompanha uma carteira com todos os títulos indexados ao IPCA acima de cinco anos, o IMA-B5+, avançou apenas 0,08%.

O título IPCA+ com vencimento em 2045 liderou as perdas do Tesouro Direto no mês passado, registrando perda de 5,96%.

Entre os ativos atrelados ao IPCA, a estrategista da Órama sugere os papéis do Tesouro IPCA+ com prazos mais curtos, que são menos vulneráveis a movimentos de volatilidade por conta do cenário externo. O Tesouro IPCA+ com vencimento em 2026 está pagando uma taxa prefixada de 5,34% mais a variação da inflação.

Já a TAG Investimentos recomenda um mix entre papéis com curto e longos prazos, com uma exposição total na carteira de renda fixa entre 30% e 40%, dependendo do perfil do investidor.

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Brig. Faria Lima 3311 - 12º floorItaim Bibi - São Paulo - SPPostal Code: 04538-133Telephone: (11) 3474-0000
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• andar
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
CEP: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. All rights reserved.

The information contained herein is only informative. Past profitability does not represent assurance of future profitability. Investors are urged to read the fund prospectus and regulations carefully before investing. Investment funds are not guaranteed by the fund administrator, the fund manager or by the Credit Guarantee Fund (FGC). To assess the performance of an investment fund it is recommended that a period of at least 12 months be analyzed. The profitability disclosed is not net of taxes; for more information about products and risk of funds, please contact our Customer Service Center.