Mídia

Mídia
Articles

Next secion

Risco fiscal limita queda de juro longo

31/03/2020 às 05h01

Risco fiscal limita queda de juro longo

Momento de incertezas com a situação fiscal do Brasil continua em vigor e cobra um prêmio de risco elevado

Por Victor Rezende e Lucas Hirata | Para o Valor de São Paulo

Os esforços das autoridades globais para combater os riscos de uma grave recessão econômica têm ajudado a derrubar as taxas de juros de longo prazo na B3. No entanto, o momento de incertezas com a situação fiscal do Brasil continua em vigor e cobra um prêmio de risco elevado, algo que fica bastante claro na diferença entre as taxas de longo prazo e as de curto prazo.

Para analistas, esse contraste deve prevalecer por algum tempo, tendo em vista que reduções adicionais da Selic estão a caminho, ao mesmo tempo em que a perspectiva nublada para a política fiscal acaba por gerar insegurança nos investidores, o que impede uma retirada de prêmio de risco mais intensa nos trechos mais longos da curva de juros.

O cenário fica evidente no aumento da chamada “inclinação da curva de juros” desde o início da crise decorrente do novo coronavírus. Entre as taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 e de 2029, o spread passou de 2,61 pontos em 23 de janeiro para 4,575 pontos ontem.

“Há uma deterioração no relacionamento entre o governo e o Congresso, em um cenário de aumento de gastos públicos. Sem indicação de melhora nas relações e na ausência de sinais quanto à aprovação de reformas estruturais, a inclinação da curva tende a continuar alta”, diz Carlos Menezes, gestor de renda fixa na Gauss Capital.

Para Dan Kawa, diretor de investimentos da TAG, os juros baixos ao redor do mundo até ajudam a ancorar as taxas longas, mas alguma inclinação é inevitável neste estágio do ciclo de política monetária e do cenário fiscal por aqui. “A perspectiva de deterioração fiscal assusta, caso não seja endereçada no futuro. Contudo, a atuação fiscal é essencial neste momento para evitar um caos social e econômico.”

Algumas notícias no fim de semana ajudaram a derrubar os juros de longo prazo ontem na B3. O ministro da Economia, Paulo Guedes, demonstrou confiança quanto à retomada da agenda de reformas estruturais passados os efeitos do novo coronavírus. Além disso, o governo estuda incluir na proposta de emenda constitucional (PEC) que autoriza o BC a adquirir créditos privados a possibilidade de ampliar as modalidades de compra de títulos do Tesouro Nacional. A autoridade monetária, assim, poderia atuar nos trechos de mais longo prazo da curva de juros.

A taxa do contrato de DI para janeiro de 2021 recuou de 3,49% para 3,41%, em nova mínima histórica. No outro extremo, a taxa para janeiro de 2027 foi de 7,69% para 7,56%.

De acordo com Menezes, os vértices de prazo mais curto e intermediário embutem nos preços um cenário de retomada da atividade que não contempla nem inflação muito alta nem aceleração muito forte. “Isso significa que o BC teria menos necessidade de subir juros. Por isso, os juros de médio prazo têm visto forte retirada de prêmio”, afirma o gestor da Gauss, que vê uma ancoragem maior nas taxas mais curtas.

No Boletim Focus divulgado ontem pelo Banco Central, o ponto médio das estimativas do mercado para a Selic no fim deste ano passou de 3,75% para 3,5%. Já no grupo dos analistas que mais acertam as projeções (Top 5) de médio prazo no Focus, a mediana da taxa básica de juros em 2020 passou de 3,38% para 3,13%.

É com base na perspectiva de cortes adicionais na Selic que o Deutsche Bank também aponta para um viés de inclinação da curva de juros. “Nossa recomendação é para que as aplicações se concentrem na parte curta da curva, assumindo que o BC vá cortar mais 0,50 ponto nos juros e manter as taxas baixas por um longo período”, diz o estrategista-chefe de mercados emergentes do banco alemão, Drausio Giacomelli. Para ele, contudo, o movimento de achatamento recente, com a queda dos juros longos, não irá se estender diante do risco fiscal. “O viés ainda é de inclinação maior com o juro da parte curta caindo”, afirma o executivo.

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Santo Amaro, 48 - 6th floor Itaim Bibi - São Paulo - SPPostal Code: 04506-000Telephone: (+55 11) 3474-0000
BELO HORIZONTEAv. Afonso Pena, 4.273 - Room 305Serra Belo Horizonte - MGPostal Code: 30130-008Telephone: (+55 31) 2511-4936
CAMPINASR. Quirino do Amaral Campos, 144 - Room 803Cambuí - Campinas - SPPostal Code: 13023-570Telephone: (+55 19) 3342-7557
FLORIANÓPOLIS João Paulo Highway, 920,
João Paulo Neighborhood,
Florianópolis, SC
Postal Code: 88030-300Telephone: (+55 48) 99933-2500
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• floor
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
Postal Code: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. All rights reserved.

The information contained herein is only informative. Past profitability does not represent assurance of future profitability. Investors are urged to read the fund prospectus and regulations carefully before investing. Investment funds are not guaranteed by the fund administrator, the fund manager or by the Credit Guarantee Fund (FGC). To assess the performance of an investment fund it is recommended that a period of at least 12 months be analyzed. The profitability disclosed is not net of taxes; for more information about products and risk of funds, please contact our Customer Service Center.