Mídia

Mídia
Articles

Next secion

MELHORA DE RATING DO BRASIL PODE VIR NESTE SEMESTRE, MAS SÓ COM ACELERAÇÃO DO PIB

06/02/2020

ESPECIAL: MELHORA DE RATING DO BRASIL PODE VIR NESTE SEMESTRE, MAS SÓ COM ACELERAÇÃO DO PIB

Por Simone Cavalcanti e Altamiro Silva Junior | Para Agência Estado

Ao menos duas das principais agências de classificação de risco, S&P Global Ratings e Fitch Ratings, podem dar um 'upgrade' na nota de crédito do Brasil ainda no primeiro semestre deste ano, caso a economia consiga mostrar o impulso mais pronunciado que está sendo esperado. A avaliação de analistas ouvidos pelo Broadcast é a de que o momento atual é de espera e que essas instituições querem justamente confirmar se o crescimento realmente virá.

A aceleração da atividade ajuda a melhorar a proporção entre a dívida do governo e o Produto Interno Bruto (PIB), indicador de solvência e um dos principais pontos do conjunto de análise sobre a nota de crédito de um país. Economistas acreditam que o coronavírus pode ter algum impacto negativo na atividade neste primeiro trimestre, acompanhando a piora esperada para a atividade da China e da economia mundial. Mas a avaliação é que esse efeito deve ser dissipado ao longo do ano.

Tanto S&P quanto Fitch mantêm a nota do País três níveis abaixo do grau de investimento, ao não mudarem o rating após a aprovação da Reforma da Previdência - as frustrações em passar o texto pelo Congresso ainda durante o governo do presidente Michel Temer foram justamente o estopim para o rebaixamento do rating. A Moody's, por sua vez, classifica o Brasil um degrau acima das demais, mas ainda em nível especulativo. "Com a aprovação da reforma da Previdência, o Brasil mudou de patamar e a nota não ficou coerente com tudo que se avançou na agenda", ressalta o ex-secretário do Tesouro Nacional e atual economista-chefe do ASA Bank, Carlos Kawall.

Para a co-diretora de rating soberano para as Américas da Fitch Ratings, Shelly Shetty, uma recuperação da economia brasileira é esperada para 2020, mas ainda com fôlego contido. Ela complementou que será necessário primeiro ver quanto progresso haverá em relação à aprovação de reformas neste ano.

Projeção das agências de classificação de risco para as principais variáveis da nota de risco em 2020 (em %):
 

 



A S&P indicou em dezembro que poderá elevar o rating soberano do Brasil, ao manter a nota, mas revisar a perspectiva de neutra para positiva. Atrelou o movimento, contudo, à melhora na dinâmica do PIB para além das expectativas da instituição, ou ainda, à redução do déficit fiscal e estabilização da dívida.

"Há uma crescente chance de uma melhora do rating soberano no primeiro semestre", afirmam os economistas do banco americano Citi. De acordo com o Banco Central, a dívida bruta encerrou 2019 em 75,8% do PIB, ante 76,5% em 2018. Este foi o primeiro recuo anual desde a passagem de 2012 para 2013, quando chegou a 51,5% do PIB. O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, estima que o endividamento não deve mais passar os 80% do PIB, como se previa anteriormente. De acordo com projeções do Tesouro Nacional, a dívida bruta deve atingir o pico em 2020, de 78,2% do PIB, e passará a cair nos anos seguintes. "Ainda assim, está longe do patamar de países com perfil similar ao Brasil", ponderou.

Kawall diz acreditar que, no primeiro trimestre, a Fitch pode alterar a perspectiva para positiva. "Apostaria em upgrade mais para o final do ano. Há reformas importantes tramitando no Congresso. Eu, no lugar deles (agências), observaria mais a economia, se é mais para 2% ou 2,5% ou se vai frustrar". Com relação à Moody's, diz, o mais provável é esperar que não se mova, mas poderia colocar um outlook positivo este ano.

Tatiana Pinheiro, economista chefe da BNP Paribas Asset Management, ressalta que o Credit Default Swap (CDS) de cinco anos do Brasil, um derivativo que protege contra calotes na dívida soberana, e termômetro do risco-país, caiu abaixo de 100 pontos, o que já daria indicativo de uma elevação de rating. Apenas para ter uma ideia, lembra, países que são grau de investimento, como Colômbia e Croácia, têm um nível de CDS entre 50 e 70 pontos. "Esse descasamento entre o precificado e a classificação das agências sempre sinalizou ajuste. Alguém sempre ajusta: ou o preço ou as agências", afirma Tatiana. "Faz sentido esperarmos a revisão da nota do Brasil no primeiro semestre. É bem factível."

"É natural um upgrade agora", afirma o sócio e gestor da Trafalgar Investimentos, Ettore Marchetti. Para ele, as reformas devem avançar e as agências só estão esperando a confirmação da aceleração da atividade. "As agências avaliam muito a trajetória (da dívida) em si", continua. O Brasil, observa, é uma das poucas histórias de crescimento hoje em um mundo em desaceleração. Para o coronavírus, Marchetti avalia que tem se consolidado a visão de impacto concentrado na atividade do planeta nestes primeiros meses do ano, na medida em que os governos têm agido rápido para conter o avanço da epidemia.

As agências de rating sempre fazem análises comparativas entre países pares. E o Brasil teve alguns avanços importantes nesta comparação, observa o gestor e sócio-diretor da TAG Investimentos, Dan Kawa. A perspectiva fiscal melhorou com a aprovação da Previdência e agora falta a confirmação de aceleração da atividade, afirma ele. Em um mundo que cresce pouco, um PIB ao redor de 2% já poderia desencadear a elevação da nota.

Grau de investimento

Mas para voltar a ostentar a nota grau de investimento, todos concordam: o caminho ainda é longo e é preciso persistir na trajetória que garanta sustentabilidade fiscal e crescimento econômico sustentável, que levem a uma relação entre dívida bruta e PIB de ao menos 15 pontos. Para Kawa, da TAG Investimentos, esse selo só deve vir daqui a "24, 36 meses".

Tatiana Pinheiro ressalta que, vendo o histórico de países que perderam e recuperaram o grau de investimento, o tempo médio entre a perda da nota e a recuperação desse status é de 6 anos. Mas a Colômbia levou 12, o Uruguai, nove, a Coreia do Sul, um. A Rússia conseguiu recuperar em três, enquanto Portugal, em cinco anos.

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Santo Amaro, 48 - 6th floor Itaim Bibi - São Paulo - SPPostal Code: 04506-000Telephone: (+55 11) 3474-0000
BELO HORIZONTEAv. Afonso Pena, 4.273 - Room 305Serra Belo Horizonte - MGPostal Code: 30130-008Telephone: (+55 31) 2511-4936
CAMPINASR. Quirino do Amaral Campos, 144 - Room 803Cambuí - Campinas - SPPostal Code: 13023-570Telephone: (+55 19) 3342-7557
FLORIANÓPOLIS João Paulo Highway, 920,
João Paulo Neighborhood,
Florianópolis, SC
Postal Code: 88030-300Telephone: (+55 48) 99933-2500
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• floor
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
Postal Code: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. All rights reserved.

The information contained herein is only informative. Past profitability does not represent assurance of future profitability. Investors are urged to read the fund prospectus and regulations carefully before investing. Investment funds are not guaranteed by the fund administrator, the fund manager or by the Credit Guarantee Fund (FGC). To assess the performance of an investment fund it is recommended that a period of at least 12 months be analyzed. The profitability disclosed is not net of taxes; for more information about products and risk of funds, please contact our Customer Service Center.