Mídia

Mídia
Articles

Next secion

Forte correção global derruba Ibovespa

08/07/2021 às 17h38

Forte correção global derruba Ibovespa

Ações com grande peso no índice, como Vale, Petrobras e bancos, foram penalizadas pela aversão ao risco global

Por Lucas Hirata | Para o Valor de São Paulo


Em um ano marcado pela sequência de recordes nas bolsas globais, os investidores começam a notar pontos de atenção no cenário e embolsam lucros para enfrentar momentos de cautela. Esse foi o pano de fundo para a firme queda do Ibovespa, que caiu do início ao fim do pregão, puxado por pesos-pesados como Vale, Petrobras e bancos, em meio à pressão generalizada contra ativos de risco.

O Ibovespa fechou em queda de 1,25%, aos 125.428 pontos, depois de tocar 124.310 pontos na mínima do dia. O giro financeiro foi de R$ 22,117 bilhões. Poucas ações conseguiram resistir à onda de vendas: do total de 84 papéis no índice, 7 conseguiram terminar em terreno positivo.

Com isso, o índice acumulou queda de 1,72% na semana mais curta. Amanhã, a bolsa não abre por causa de feriado em São Paulo.

O tombo no mercado local espelha a onda de vendas de ações no exterior, sob efeito de uma combinação de dados mais fracos dos EUA, preocupação com o ritmo de crescimento da China, recuo dos juros dos Treasuries e avanço da variante delta do coronavírus. Todo esse quadro força uma firme realização de lucros, embora analistas e gestores afirmem que não se trata de uma reversão de um quadro econômico positivo no mundo.

“As bolsas globais andaram muito recentemente, algumas delas atingiram novas máximas históricas, e o mercado já estava há algum tempo sem conseguir realizar lucros. Agora aparecem vários vetores que já estavam no radar, de maneira separada, mas juntos justificam o ajuste”, afirma o diretor de investimentos da TAG, Dan Kawa.

Para ele, o movimento de hoje se trata de uma correção. “Olhando as bolsas globais, algo entre 5% e 15% ainda é uma realização de lucros normal. Ainda é cedo para falar de uma mudança de tendência”, acrescenta.

Todo esse quadro acaba afetando o Brasil com mais intensidade, por causa de mazelas locais. Hoje, entre os papéis com maior peso no índice, Petrobras ON caiu 1,98% e Petrobras PN cedeu 2,00%. Já no setor bancário, Itaú PN perdeu 1,31%; Bradesco ON recuou 1,42% e Bradesco PN teve baixa de 1,17%.

O gestor do Opportunity Total Marcos Mollica explica que sua exposição ao Brasil já vinha baixa. “Estávamos aumentando na margem, mas muito cautelosamente. Depois do anúncio da reforma tributária, abortamos o processo para acompanhar os desenvolvimentos”, diz Mollica, ao ponderar que ainda vê um cenário futuro positivo.

“Ainda acho que o Brasil tem mais espaço para melhorar, quando este ruído diminuir. Acredito que a reforma vai ser revista, como sinalizado pelo ministro Paulo Guedes, e o Congresso vai resistir a qualquer aumento de carga tributária”, conclui.

Depois dos piores momentos de pressão do dia, algumas ações voltam a testar altas. É o caso de empresas que estão mais ligadas ao cenário doméstico e que foram duramente penalizadas pela apresentação da nova etapa da reforma tributária. No setor de shoppings, Iguatemi ON ganhou 1,74%; BR Malls ON subiu 0,50% e Multiplan ON ganhou 0,13%. Ainda entre os cinco maiores avanços do dia, Lojas Renner ON avançou 0,34% e BR Distribuidora ON ganhou 0,21%.

Do lado negativo, ficaram CSN ON, com queda de 4,42%; Sul América Units (-3,92%); Weg ON (-3,69%); Locaweb ON (-3,56%); e Tim ON (-3,44%).

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Brig. Faria Lima 3311 - 12º floorItaim Bibi - São Paulo - SPPostal Code: 04538-133Telephone: (11) 3474-0000
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• andar
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
CEP: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. All rights reserved.

The information contained herein is only informative. Past profitability does not represent assurance of future profitability. Investors are urged to read the fund prospectus and regulations carefully before investing. Investment funds are not guaranteed by the fund administrator, the fund manager or by the Credit Guarantee Fund (FGC). To assess the performance of an investment fund it is recommended that a period of at least 12 months be analyzed. The profitability disclosed is not net of taxes; for more information about products and risk of funds, please contact our Customer Service Center.