Mídia

Mídia
Articles

Next secion

Bolsa sobe com exterior, mas dólar segue sob pressão

17/06/2020 às 05h01

Bolsa sobe com exterior, mas dólar segue sob pressão

Ibovespa fecha nos 93.531 pontos; dólar atinge R$ 5,2365

Por Marcelle Gutierrez, Lucas Hirata e Ana Carolina Neira | Para o Valor de São Paulo

 

O tom positivo vindo do exterior com iniciativas do Federal Reserve (Fed) e do Banco do Japão (BoJ) de estímulos financeiros sustentou a bolsa brasileira no azul. O clima de cautela, entretanto, continua no radar com dados econômicos fracos do Brasil e avanço da pandemia. Tanto que a busca por proteção do dólar imperou no mercado brasileiro de câmbio, levando a cotação para um avanço de quase 2%.

O Ibovespa fechou em alta de 1,25%, aos 93.531 pontos, mas distante da máxima do dia de 95.216 pontos - avanço de 3,07%. O dólar comercial fechou com valorização de 1,84%, aos R$ 5,2365, depois de tocar R$ 5,2420 na máxima do dia. Foi a quinta alta consecutiva da moeda americana.



O movimento da bolsa brasileira foi um pouco aquém do visto em Nova York, mas em linha com outros emergentes. Em Nova York, o Dow Jones fechou em alta de 2,04% e o S&P 500, de 1,90%. Entre os pares latino-americanos, o S&P/BMV IPC, do México, subiu 1,28%.

O tom positivo dos mercados veio dos anúncios dos bancos centrais dos Estados Unidos e do Japão, injetando ainda mais liquidez, o que, em cenário de taxas de juros baixas, favorece o apetite ao risco. O Fed anunciou um programa de compra de títulos corporativos e o Banco do Japão (BoJ) expandiu o programa de compras de títulos comerciais e corporativos para 110 trilhões de ienes, cerca de US$ 1 trilhão.

Porém, o discurso do presidente do Fed, Jerome Powell, arrefeceu os ânimos. No Senado americano, ele disse que “ainda há incerteza significativa” sobre o momento e força da recuperação econômica.

Por aqui, dados econômicos e o avanço da pandemia também deixam os investidores cautelosos, apesar de seguirem com viés comprador. Entre os dados divulgados, o volume de vendas no varejo ampliado recuou 17,5% em abril ante março, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e o desemprego cresceu a 10,8% entre a primeira e última semana de maio, para 10,875 milhões de pessoas.

Para Fábio Galdino, gerente de renda variável da Vero Investimentos, mesmo com dados negativos nos próximos meses, a bolsa brasileira ainda consegue resistir por ter um preço atrativo em dólar e pelo excesso de liquidez nos mercados. “Foram tantos estímulos econômicos que ninguém vai ficar com o dinheiro queimando na mão.”

No mercado de câmbio, também houve “alguma influência da expectativa sobre a postura do Copom, de que poderia vir com um viés mais ‘dove’”, explica Marcos Mollica, gestor do Opportunity. Apesar desta percepção, o profissional acredita que o Copom deve indicar uma pausa no processo de afrouxamento monetário e colocará exigências maiores para aplicar novos cortes.

Outro fator que segue incomodando é a evolução da pandemia. “Acho que estamos melhorando, mas muito lentamente. Quando começam a aparecer dificuldades na abertura em outros lugares, o mercado coloca um risco adicional para o Brasil”, acrescenta.

O Brasil tem mais de 890 mil casos confirmados de covid-19 e mais de 44 mil mortes.

A busca por proteção se intensificou com a notícia de que Pequim está elevando o nível de alerta com a covid-19 e já teria ordenado o fechamento de escolas, elevando os temores de uma segunda onda de contágio.

Para o diretor de investimentos da TAG, Dan Kawa, os fundamentos para um real mais depreciado estruturalmente não mudaram. “Piora fiscal, menor diferencial de juros, menor custo de oportunidade de ter o dinheiro no Brasil, ambiente político conturbado, entre outros”, afirma. E isso ajuda a explicar a reversão da trajetória de alívio no dólar, que até poucos dias atrás estava em menos de R$ 5.

Apesar do dólar ter superado os R$ 5,22, o mercado de juros teve um comportamento mais contido, em um sinal da expectativa no mercado sobre uma postura mais flexível do Copom sobre seus próximos passos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 teve leve queda a 2,09% (2,12% no ajuste anterior), enquanto os vencimentos mais longos subiram. O DI para janeiro de 2025 avançou a 5,76% (5,71% no ajuste anterior) e o DI para 2027 subiu a 6,74% (6,64% no ajuste anterior).

TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
TAG Investimentos
SÃO PAULOAv. Santo Amaro, 48 - 6th floor Itaim Bibi - São Paulo - SPPostal Code: 04506-000Telephone: (+55 11) 3474-0000
BELO HORIZONTEAv. Afonso Pena, 4.273 - Room 305Serra Belo Horizonte - MGPostal Code: 30130-008Telephone: (+55 31) 2511-4936
CAMPINASR. Quirino do Amaral Campos, 144 - Room 803Cambuí - Campinas - SPPostal Code: 13023-570Telephone: (+55 19) 3342-7557
FLORIANÓPOLIS João Paulo Highway, 920,
João Paulo Neighborhood,
Florianópolis, SC
Postal Code: 88030-300Telephone: (+55 48) 99933-2500
PORTO ALEGREAv. Carlos Gomes, 300 - 7• floor
Bairro Três figueiras,
Porto Alegre, RS
Postal Code: 90480-000
Copyright © 2016, TAG. All rights reserved.

The information contained herein is only informative. Past profitability does not represent assurance of future profitability. Investors are urged to read the fund prospectus and regulations carefully before investing. Investment funds are not guaranteed by the fund administrator, the fund manager or by the Credit Guarantee Fund (FGC). To assess the performance of an investment fund it is recommended that a period of at least 12 months be analyzed. The profitability disclosed is not net of taxes; for more information about products and risk of funds, please contact our Customer Service Center.